segunda-feira, 22 de maio de 2017

BANCOS


Mercantil do Brasil investe cerca de 
R$ 100 milhões em rede de atendimento

Mantendo sua estratégia única de atuação, Mercantil do Brasil amplia a capacidade de atendimento e fortalece sua marca registrada: o relacionamento próximo ao cliente

Em um mercado de atuação de grandes players, o Mercantil do Brasil se diferencia: alia sua visão de futuro e gestão responsável dos recursos a uma forma muito específica de atender. Tornou-se um modelo de negócio acertado, ainda que os cenários inconstantes da economia brasileira tenham maior impacto nas instituições de seu porte. E mantém seu planejamento: aumentar receita e focar na eficiência operacional. Se a tendência aponta para contatos menos personalizados e consequente redução das agências, o Mercantil do Brasil inverte a lógica e anuncia investimento de R$100 milhões em infraestrutura, tecnologia e novos pontos de atendimento, referentes a 2016 e 2017.

Essa estratégia remete ao ano 2009 quando se tornou o banco pagador de benefícios em Minas Gerais e interior de São Paulo, por ter sido vitorioso no Leilão do INSS. A conquista se repetiu em 2014. Esses feitos atestaram a capacidade da instituição de antever oportunidades. O banco não só enxergou à frente. Também se valeu de seu ponto forte: a relação simples, próxima e acolhedora com o cliente. Para isso, investe nas mais modernas plataformas tecnológicas que facilitem e agilizem o dia a dia. Resultado: desempenho operacional positivo recorrente e clientes satisfeitos. É o que dizem as pesquisas de imagem, repetidas a cada dois anos.

O crescimento da presença física se traduz nos mais de 40 pontos de atendimentos inaugurados desde 2016. A criação de um modelo de negócio assertivo permitiu qualificar ainda mais os processos. Esse aperfeiçoamento, por sua vez, possibilitou uma maior velocidade na expansão da rede. O reflexo foi a ampliação da capilaridade nas regiões mais importantes para a instituição (Minas Gerais e interior de São Paulo).
A presença nas ruas é, sim, crescente, assim como as opções de canais eletrônicos. Outra decisão acertada. Por quê? Porque é assim que o MB consegue obter mais agilidade nas transações, mantendo a proximidade e qualidade no relacionamento com clientes. Essas frentes têm levado ao Mercantil do Brasil milhares de novos correntistas a cada mês, refletindo a assertividade das diretrizes do banco de ampliar sua base de correntistas e de aumentar o volume das operações de crédito.

POUPATEMPO


Poupatempo informa os canais oficiais para 
informações e agendamento de serviços

Para garantir que os cidadãos obtenham informações corretas sobre todos os serviços oferecidos, prazos de entrega, valores de taxas, documentos necessários, endereços e horários de funcionamento dos postos, o Programa Poupatempo oferece diversos canais de comunicação.Além de informações, os canais oficiais do Poupatempo também permitem o agendamento de data e horário para a realização dos serviços mais solicitados nas unidades, como RG e CNH.
Portal: www.poupatempo.sp.gov.br;
Aplicativo de celular: SP Serviços;
Disque Poupatempo: 0800 772 3633 - para telefones fixos - ou 0 operadora 11 2930 3650 - para ligações de celulares;
Poupinha, o atendente virtual do Poupatempo: o Poupinha está disponível no portal do Poupatempo (no canto inferior direito da tela) e também no Messenger, no Facebook, no seguinte link:
 www.messenger.com/t/PoupinhaSP
Redes sociais: /poupatemposp

Programa Poupatempo
O Poupatempo é um programa do Governo do Estado, executado pela Diretoria de Serviços ao Cidadão da Prodesp – Tecnologia da Informação, que, desde a inauguração do primeiro posto, em 1997, já prestou mais de 541 milhões de atendimentos. Atualmente conta com 72 unidades fixas, em todas as regiões administrativas do Estado, além de um posto móvel, que atendem mais de 180 mil cidadãos por dia.
Em 2016, o Poupatempo foi eleito pelo segundo ano consecutivo o ‘melhor serviço público de São Paulo’ pelo Instituto Datafolha. Em pesquisa anual de satisfação, o Poupatempo obteve 99% de aprovação dos usuários. A Prodesp, que administra o Poupatempo desde a sua criação, foi eleita em 2016 a ‘melhor indústria digital do Brasil’, no ranking Melhores & Maiores da revista Exame.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Mongaguá


Santos, Mongaguá e São Vicente lideram a arrecadação com mineração na Baixada Santista

Os três municípios produziram juntos R$ 52 milhões em rochas para brita na região

O município de Santos em 2016 liderou a arrecadação da CFEM - Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais na região metropolitana da Baixada Santista. Ao todo, a mineração movimentou R$ 39 milhões, o que gerou para a cidade uma arrecadação de R$ 678 mil.
Na sequência vem Mongaguá, que recebeu no ano passado R$ 177 mil e São Vicente com a quantia de R$ 57 mil. O bem mineral mais extraído na região é a rocha para brita utilizada principalmente na construção.
A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 24 de fevereiro, pela Secretaria de Energia e Mineração no Informe Mineral do Estado de São Paulo. O balanço anual mostra o volume da produção de bens minerais e os valores de impostos recolhidos pelos municípios.
“A mineração na Baixada Santista é fundamental para a indústria da construção nas cidades da região e para suprimento das obras de exploração do petróleo. Essa atividade, além gerar emprego e renda para os moradores, evita o alto custo logístico de transporte desse insumo”, explica o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles.
Peruíbe e Itanhaém completam a lista dos produtores de bens minerais da região.
Estado
Em 2016, a arrecadação paulista da CFEM - Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais foi de R$ 57,6 milhões, uma redução de 5,3% em relação a 2015, quando alcançou R$ 60,9 milhões.
Cerca de 70% da produção mineral do Estado se concentra em quatro grupos de grande participação na indústria da construção: brita, areia, calcário e argila.
O mineral que teve o maior impacto negativo na produção foi a brita, que sofreu uma redução de 6%, comparado com o ano anterior. Areia, calcário e argila se mantiveram estáveis.
Das 645 cidades paulistas, 335 possuem algum tipo de atividade minerária distribuídas em todas as regiões do Estado. No levantamento, cinco cidades correspondem por 26% do total arrecadado. Em primeiro lugar está Cajati com 9%, seguido por São Paulo com 6%, Mogi das Cruzes com 5% e Barueri e Campos do Jordão, ambas com 3%.
Na divisão do imposto 65% são destinados aos municípios, 23% vão para o Estado e 12% ficam com a União. Coube aos municípios paulistas R$ 37,5 milhões, ao Estado R$ 13,2 milhões e à União R$ 6,9 milhões.
São Paulo atualmente ocupa a quarta colocação no ranking nacional de arrecadação da CFEM com 3% da participação. O Estado de Minas Gerais é o primeiro com 48%, seguido pelo Pará com 29% e Goiás com 6%.
Dez produtos minerados no Estado correspondem por quase toda arrecadação: areia, água mineral, granito, calcário dolomítico, fosfato, basalto, argila, diabásio, gnaisse e caulim.
O montante arrecadado com a compensação é administrado pelo Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, autarquia vinculada ao Ministério de Minas e Energia, que destina os valores a estados e municípios. O DNPM também tem a função de baixar normas e exercer a fiscalização nas mineradoras.
Os recursos da CFEM devem ser aplicados em projetos que direta ou indiretamente revertam em prol da comunidade local, na forma de melhoria da infraestrutura, qualidade ambiental, saúde e educação.
Em 2016, a arrecadação nacional da CFEM teve um aumento de 18,3% em relação ao ano anterior, chegando a R$ 1,8 bilhão.
O Governo do Estado de São Paulo trabalha para promover o conceito de mineração responsável, baseada em uma produção economicamente, ambientalmente e socialmente sustentável. “Queremos aumentar a atividade minerária nos municípios paulistas gerando uma extensa cadeia produtiva com a geração de empregos, insumos a preços competitivos e dando uma correta redestinação às áreas lavradas”, explica o subsecretário de Mineração, José Jaime Sznelwar.
Entre as principais atividades que podem ser realizadas pelas prefeituras visando uma produção regulamentada e em conformidade com o meio ambiente está o Ordenamento Territorial Geomineiro (OTGM), estudo que oferece bases técnicas para estabelecer o zoneamento minerário dos municípios. Esse instrumento pode ser utilizado pelas prefeituras como parâmetro para realizar seus planos diretores. A Secretaria de Energia e Mineração já produziu 21 OTGMs, que estão disponíveis no site do órgão em www.energia.sp.gov.br
 
Mineração em São Paulo
O Estado de São Paulo também é o maior produtor de equipamentos e insumos para a indústria mineral, empregando mais de 200 mil trabalhadores.
Segundo o DNPM, o Estado possui mais de 3 mil áreas habilitadas para atividade de mineração, com 95% delas destinadas a produção de areia, brita, calcário e argila. Só a Região Metropolitana de São Paulo recebe, diariamente, mais de 9 mil carretas de areia e brita. Diferentemente de outros estados, predominantemente exportadores, São Paulo é o destino final destes insumos, gerando riqueza e renda local.
A Subsecretaria de Mineração da Secretaria de Energia e Mineração tem o objetivo de garantir, de forma sustentável, o suprimento de insumos minerais para a indústria, construção e agricultura, além de incentivar a modernização tecnológica na pesquisa, produção e beneficiamento mineral.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Ferrovia Santos / Cajati


ANTT amplia prazo para propostas de prorrogação da concessão da malha paulista

Em reunião realizada no dia 2 de fevereiro de 2017, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, a Frente Parlamentar em prol do Transporte Metroferroviário (FTRAM) – que conta com participação de 24 deputados e de representantes de diversas entidades do setor – conseguiu da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) o adiamento por 30 dias do prazo para recebimento de sugestões sobre o processo de prorrogação da vigência contratual da concessionária América Latina Logística Malha Paulista S.A, operada pela Rumo, empresa que se fundiu com a América Latina Logística (ALL). O prazo estipulado anteriormente terminaria na sexta-feira (3/02). A prorrogação antecipada de contratos de ferrovias está prevista na Medida Provisória 752/2016, editada pelo governo federal.

A concessão da Malha Paulista vence em 2028 e está em pauta a prorrogação por mais 30 anos, havendo, basicamente, três posições a respeito. A concessionária quer ampliar a concessão, mas não concorda em ceder trechos não utilizados e o direito de passagem a outros transportadores. Diversas entidades, entre as quais a Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer) e a Associação Latino-Americana de Ferrovias (ALAF), defendem a prorrogação, entendendo que significará novos investimentos, com geração de empregos e dinamização da economia, mas querem que haja compartilhamento de parte da malha com outros operadores além da Rumo. Há ainda os que defendem um novo processo licitatório imediato, com concorrência internacional. Neste caso, o entendimento é de que para o contrato atual seja acionada a cláusula de caducidade, em razão de a concessionária não ter cumprido o contrato integralmente.

As informações sobre o adiamento acatado pela ANTT foram prestadas por Emiliano Stanislau Affonso Neto, conselheiro consultivo da Associação de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) e integrante da FTRAM. O documento com o pedido de adiamento foi assinado pelo deputado João Carlos Caramez, coordenador da FTRAM, acompanhado de cópia da lista de presença na reunião da FTRAM realizada na manhã do dia 2/02 e encaminhada ao diretor geral da ANTT, Jorge Bastos.

A FTRAM argumentou em seu pedido que, mesmo depois de duas audiências públicas realizadas nos dias 24 e 26 de janeiro de 2017, em São Paulo e Brasília, respectivamente, persistiam dúvidas quanto à reativação dos trechos subutilizados e o compartilhamento do direito de passagem e livre acesso, com ”total omissão quanto ao compartilhamento dos trechos com trens de passageiros” e que ainda não haviam sido publicadas as manifestações ocorridas na audiência realizada na capital paulista.

No documento, a FTRAM sublinhou que haveria a necessidade de um prazo maior para que estudos e sugestões mais aprofundadas pudessem ser apresentados.
Um conjunto de sugestões da FTRAM será encaminhado à ANTT dentro do novo prazo. O encarregado pela tarefa é o Grupo de Trabalho sobre a Concessão da Malha Ferroviária Paulista, coordenado por Jean Pejo, diretor da Associação Latino-Americana de Ferrovias (ALAF). O grupo contará com a participação de integrantes da FTRAM: Milton Xavier, da Secretaria de Transportes do Estado de São Paulo; Vicente Abate, presidente da Abifer;  professor José Manuel Ferreira Gonçalves, presidente da Ferrofrente e do Movimento Tarifa Justa (MTJ).

sábado, 7 de janeiro de 2017

CULTURA

Virada Cultural Paulista e Circuito Cultural Paulista recebem inscrições de artistas para apresentações em 2017
Projetos de música, dança, circo, literatura e teatro podem ser cadastrados até 21 de fevereiro de 2017
Estão abertas as inscrições para artistas que queiram se apresentar em eventos culturais realizados pelo Governo do Estado de São Paulo em 2017. Até 21 de fevereiro de 2017, bandas, cantores, peças teatrais e artistas circenses poderão enviar suas propostas artísticas para eventos como a Virada Cultural Paulista, o Circuito Cultural Paulista e o Festival Paulista de Circo. Há seleção também para apresentações no Teatro Sérgio Cardoso (capital paulista) e no Teatro Estadual de Araras.

As inscrições devem ser feitas exclusivamente pela internet, em formulário disponível no site www.omelhordaculturasp.com. O envio do formulário gerará um número de inscrição.

O cadastro é feito por linguagem artística (música, dança, literatura, circo e teatro). Cada projeto só poderá ser inscrito uma vez e será avaliado para todos os programas mencionados. No formulário, os interessados devem incluir detalhes sobre o espetáculo, links com fotos e vídeos, mídias sociais e contatos atualizados. Para mais informações, acesse www.omelhordaculturasp.come www.cultura.sp.gov.br.

ESTÁGIO


Lojas Americanas abre vagas para Programa de Estágio em Logística
Companhia busca jovens residentes em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Uberlândia
A Lojas Americanas abre inscrições para o seu Programa de Estágio Logística. Podem se candidatar estudantes residentes no Rio Janeiro, São Paulo, Uberlândia e Recife dos cursos de Administração, Economia, Engenharia de Produção, Mecânica, Química ou Elétrica, com previsão de formatura para julho de 2017. 
O processo seletivo inclui triagem curricular, provas on-line, entrevistas com área de Recursos Humanos e gestores. Com 30 horas semanais, o Programa visa o desenvolvimento acelerado de jovens universitários, que terão a oportunidade de trabalhar em um dos maiores Centros de Distribuição do Brasil, localizados em São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Recife/PE e Uberlândia/MG.
Os selecionados receberão salário e benefícios compatíveis com o mercado. As inscrições podem ser feitas até o dia 15 de janeiro, no endereço vagas.com.br/v1448253.

Sobre a Lojas Americanas
A Lojas Americanas foi fundada em 1929 e está presente em todos os estados do país, com mais de 1.000 lojas. A rede de lojas físicas comercializa mais de 60 mil itens de 4 mil empresas diferentes, garantindo a seus clientes preços competitivos e oferecendo produtos de qualidade reunidos em cerca de 40 departamentos como bombonière, perfumaria, utilidades domésticas, brinquedos, games, celulares, eletrodomésticos, eletrônicos, CD's e DVD's, livros, vestuário e papelaria. A Lojas Americanas conta ainda com quatro Centros de Distribuição localizados em São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Recife/PE e Uberlândia/MG.

FOTOGRAFIA


São Paulo recebe cursos de fotografia da Canon do Brasil
Programa Canon College acontece nos dias 5 e 19 de janeiro e 7, 9 e 23 de fevereiro
No primeiro bimestre de 2017, a Canon do Brasil, líder mundial em soluções de imagem digital, continua difundindo a cultura da fotografia por meio dos cursos do programa Canon College. São Paulo receberá as aulas nos dias 5 e 19 de janeiro e 7, 9 e 23 de fevereiro. Com a iniciativa é possível conhecer mais sobre técnicas fotográficas, manter um relacionamento pessoal com profissionais da área, trocar experiências, além de aproveitar todos os recursos que uma câmera Canon tem para oferecer.

O Canon College é feito tanto para iniciantes como para profissionais e busca compartilhar conhecimento sobre diversas técnicas com profissionais que tem alto capacidade de ensinar sobre o tema. Dia 5 de janeiro, acontece o curso Básico - Introdução à Fotografia e, dia 19, o Intermediário - Controles e Funções da DSLR. Dia 7 de fevereiro, os alunos poderão acompanhar o curso Prático 1. Dia 9, é a vez do curso Flash Dedicado. Finalizando as atividades de fevereiro, acontece o curso Técnicas de Aprimoramento para Iniciantes, no dia 23.  Confira abaixo os locais exatos onde serão ministrados os cursos.

No módulo Básico, os alunos conhecem os princípios básicos da fotografia e como funciona a câmera fotográfica digital. No curso Prático 1, os participantes poderão desenvolver suas habilidades na prática, com o suporte dos instrutores. O módulo Intermediário é uma continuação do que foi aprendido no módulo Básico. Aqui é explorado o mundo das lentes EF e detalhado recursos mais avançados das câmeras, garantindo uma melhor experiência fotográfica como, por exemplo, o controle do autofoco e modos de medição da luz.

No módulo Flash Dedicado, os alunos poderão desvendar o uso básico dos flashes dedicados e suas possíveis aplicações na fotografia. Serão utilizados os flashs Canon Speedlite como material base nas aulas. O curso é destinado a fotógrafos com um conhecimento intermediário em fotografia que desejam explorar o comportamento da luz, assim como aprender sobre as funcionalidades básicas de um flash dedicado. 

Recomenda-se que o participante leve sua própria câmera DSLR, porém não é obrigatório. A equipe da Canon disponibiliza para experimentação durante os cursos, algumas unidades dos modelos mais modernos de câmeras DSLR, além de lentes e acessórios. Para obter mais informações e realizar inscrições, basta acessar o site www.canoncollege.com.br/cursos. O investimento varia entre R$ 69,00 e R$ 199,00 por módulo.

O Canon College também passa por diversas cidades brasileiras como Rio de Janeiro, Campinas, Curitiba, Vitória, Salvador, Belo Horionte, Porto Alegre, Cuiabá e Florianópolis.