quinta-feira, 20 de junho de 2013

Onda de protestos – Para Dilma, a culpa é do Haddad

“Na avaliação do Palácio do Planalto, Fernando Haddad errou – e muito – neste imbróglio todo das manifestações. Primeiro, por que não foi capaz de dimensionar em tempo hábil o tamanho do movimento. Até a manifestação de quinta-feira passada, Haddad insistia nas conversas que mantinha com o governo federal que aquilo tudo não passava de agitação estimulada por pequenos partidos radicais, como PSTU e PSOL. Nada que fosse ganhar corpo.
Ainda na avaliação do Planalto, se Haddad tivesse alertado ou pedido ajuda ao governo a situação não teria chegado ao ponto que chegou. Neste ponto, claro, falta certa auto-crítica do Palácio, que poderia do mesmo modo ter percebido a tempo o tamanho da encrenca.
Na visão do governo, Haddad terá dificuldade para tratar de qualquer movimento grevista a partir de agora. Até segunda ordem, passa a ser um prefeito fraco. Virou um pato manco – ou seja, aquele político que perdeu parte do poder que as urnas lhe deram. Em resumo, Dilma acha que a culpa é do prefeito.”
(Coluna Radar – Veja Online)

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Avaliação de mandato

  Pesquisa Ibope aponta aprovação do governo Dilma em 55%

A aprovação do governo Dilma Rousseff é de 55% em junho, segundo pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta quarta-feira (19).

Em março, os números indicavam que 63% dos entrevistados que consideravam a gestão "boa" ou "ótima". Em relação a aprovação pessoal da presidente Dilma Rousseff, a percentagem caiu de 79, em março, para 71, agora em junho.

O levantamento do Ibope entrevistou 2002 pessoas com mais de 16 anos. Em 142 municípios, a pesquisa foi realizada entre os dias 8 e 11 de junho. A margem de erro é de dois pontos percentuais. 

terça-feira, 18 de junho de 2013

Economia local

 

Alckmin anuncia concessão dos cinco primeiros aeroportos

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta segunda-feira, 17, a concessão da administração dos aeroportos de Campos dos Amarais (Campinas), Comandante Rolim Adolfo Amaro (Jundiaí), Artur Siqueira (Bragança Paulista), Gastão Madeira (Ubatuba) e Antônio Ribeiro Nogueira Jr. (Itanhaém).
De acordo com o governador, São Paulo está à frente dos demais Estados em termos de projeto, diagnóstico da situação e de demanda.
"Esperamos ter grande ganho na operação com o setor privado nos serviços e investimentos novos. Nós deveremos apresentar o projeto hoje, uma concessão só, dos primeiros cinco aeroportos", destacou Alckmin.
O projeto de concessão foi realizado pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (DAESP), órgão vinculado à Secretaria de Logística e Transportes (SLT), e encontra-se em estudo pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República para dar continuidade ao programa.
O Daesp, que administra estes aeroportos desde 1981, coordena todo o processo de transição.
Hoje o projeto foi apresentado para o Programa Estadual de Desestatização (PED), que visa à privatização de empresas estatais. Nova reunião do PED para discutir o assunto está programada para julho.
Sobre os aeroportos
O aeroporto Estadual Campo do Amarais (Campinas) opera com aviação geral (executiva e táxi aéreo). Em 2012, recebeu 28.200 usuários e registrou 33.500 pousos e decolagens. De janeiro a maio de 2013, recebeu 12.170 passageiros e registrou 14.440 pousos/decolagens. Possui pista de 1.650m, terminal de passageiros com 230m² e estacionamento com capacidade para 50 veículos. Está localizado a oito quilômetros do centro da cidade.
O aeroporto Estadual Artur Siqueira (Bragança Paulista) possui pista de 1.200m, terminal de passageiros com 225 m², estacionamento para 76 veículos e está localizado a três quilômetros do centro da cidade. O aeroporto já está preparado para operar voos noturnos, dependendo apenas da homologação do DECEA e ANAC. Em 2012, movimentou 43.850 usuários e 42.936 pousos e decolagens. De janeiro a maio de 2013, passaram pelo local 16.390 usuários e 16.328 pousos e decolagens.
O aeroporto Estadual Comandante Rolim Adolfo Amaro (Jundiaí) registrou entre 2011 e 2012 um crescimento de 23% na movimentação de aeronaves. O aeródromo possui 1.400m, terminal de passageiros com 494 m², estacionamento para 50 veículos. Está localizado a sete quilômetros do centro da cidade. Em 2012, recebeu 21.031 passageiros e 99.284 pousos e decolagens. Já em 2013, recebeu 7.650 usuários e 41.440 pousos e decolagens.
O aeroporto Estadual Antônio Ribeiro Nogueira Jr. (Itanhaém) possui pista de 1.350m, terminal de passageiros com 500 m², estacionamento para 24 veículos e está localizado a três quilômetros do centro da cidade e opera voos noturnos. Em 2012, recebeu 16.677 passageiros e 23.620 pousos e decolagens. Já em 2013, movimentou 5.340 usuários e 10.809 pousos e decolagens.
O aeroporto Estadual Gastão Madeira (Ubatuba) recebeu, de janeiro a dezembro de 2012, 7.356 passageiros e 1.142 pousos e decolagens. Em 2013 recebeu 3.618 passageiros e 2.527 pousos e decolagens. A pista do aeródromo possui 940m, terminal de passageiros com 70 m² e estacionamento para 15 veículos. Está localizado a um quilômetros do centro da cidade.
Investimentos do Estado
O movimento de passageiros cresceu 12% nos 27 aeroportos administrados pelo Daesp, entre janeiro e novembro de 2012. Passaram pelos terminais regionais 2.616.151 passageiros, frente 2.343.349 no mesmo período de 2011. O aumento é reflexo dos investimentos feitos pelo Estado em modernização e infraestrutura. Em 2011, foram destinados R$ 60 milhões em melhorias e em 2012 os recursos somaram R$ 78 milhões. O pacote de obras contemplou projetos para reforma e ampliações de cinco terminais de passageiros e ampliações de pistas, pátios e estacionamentos de veículos. Na área de segurança, o governo adquiriu oito caminhões de combate a incêndio, implantação de circuito de TV, entre outros.
Dos 27 aeroportos do Daesp, seis operam com aviação regular (comercial): Ribeirão Preto, S. José do Rio Preto, Araçatuba, Marília, Bauru/Arealva e Presidente Prudente. Os outros 21 aeroportos recebem a aviação geral (executiva, táxi aéreo).

sábado, 1 de junho de 2013

Política estadual


PMDB já trata Skaf como candidato ao governo de SP

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, foi tratado, durante congresso de prefeitos do partido realizado em Indaiatuba (SP), como o candidato do partido ao governo paulista em 2014, mesmo a um ano da definição do nome para a disputa. "O Skaf está preparado para governar o Estado de São Paulo e está cheio de vontade de disputar eleição a governador de São Paulo. Está em pré-campanha", disse o presidente nacional do partido, Valdir Raupp (PMDB-RO).

Já o presidente do PMDB paulista, deputado estadual Baleia Rossi, classificou Skaf como um "nome forte para que o PMDB conquiste São Paulo no ano que vem". Do evento, entre outros políticos, participa também o deputado federal Gabriel Chalita (PMDB-SP), apontado como outro possível postulante do partido à sucessão de Geraldo Alckmin (PSDB).
No entanto, Chalita foi lembrado apenas por Rossi, e mesmo assim pelo bom desempenho na disputa pela prefeitura de São Paulo em 2012. "Ele enfrentou todos os desafios e obstáculos e levou o partido a uma grande vitória, com mais de 13% nas urnas. É também nome importante para o PMDB e um grande companheiro", afirmou.

Ao chegar ao evento, em um clube da cidade paulista, o presidente da Fiesp foi cercado por prefeitos e vice-prefeitos presentes para tirar fotos. Indagado pelo Broadcast se iria assumir uma possível candidatura, Skaf apenas riu e evitou falar.