terça-feira, 30 de agosto de 2011

Política

Boa gestão pública é tema de concurso

Premiação promovida pela Fiesp visa identificar e disseminar as melhores práticas na administração de recursos públicos

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) promove o prêmio “Municípios que Fazem Render Mais”. O objetivo é identificar, reconhecer e disseminar as melhores práticas de gestão dos recursos públicos em várias dimensões da administração municipal no âmbito do Estado de São Paulo. O concurso terá o apoio da Associação Paulista de Jornais (APJ).

Os prefeitos de cada um dos 645 municípios paulistas receberam cartas a respeito. Serão avaliados diversos itens da gestão, como sustentabilidade, transparência, participação popular, contribuição para o desenvolvimento local, custeio e qualidade do investimento e responsabilidade fiscal e social.
As inscrições vão até o dia 31 de agosto e o prêmio será entregue em março de 2012.

O processo de avaliação será conduzido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que irá visitar os municípios pré-qualificados e ao final elegerá nove deles divididos em três categorias: até 50 mil habitantes, de 50 mil até 250 mil habitantes e acima de 250 mil habitantes.

Em outubro, 30 cidades serão pré-selecionadas. Destas, 15 passam para a fase final, quando os municípios são visitados pelos técnicos da FGV, em fevereiro de 2012. Em março, as nove vencedoras serão anunciadas.

Apenas os 30 finalistas e os vencedores de cada categoria serão divulgados. Com isso, os municípios que não tiverem iniciativas enquadradas nos critérios de premiação não serão conhecidos. Isso garante a divulgação das boas iniciativas, sem necessidade de expor os demais.

“A ideia é valorizar as boas ideias, as iniciativas que dão resultado positivo e consequente retorno à população das cidades”, explica o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. “O concurso é o reconhecimento da importância de focar a eficiência da gestão pública para que sirva de referência e exemplo”, afirma o presidente da APJ, Renato Zaiden.

Política

PSDB-SP se posiciona contrário ao aumento do número de vereadores nas Câmaras Municipais

Orientação foi enviada a todos os cerca de 1.100 vereadores tucanos no Estado de São Paulo


A Executiva Estadual do PSDB-SP enviou carta a todos os presidentes de diretórios municipais e aos mais de 1.100 vereadores da legenda informando o posicionamento contrário da Executiva ao aumento do número de vereadores nas Câmaras Municipais.

O objetivo do documento é orientar sua bancada com relação ao tema, que já começa a ser debatido em diversas Câmaras Municipais em todo o Estado.
Para o PSDB paulista, o aumento no número de vereadores geraria apenas a elevação dos gastos municipais com as Casas Legislativas. “Aumentar o número de vereadores não traz maior representatividade da população nem melhora o debate daquilo que realmente importa nos municípios. Precisamos, ao invés de ampliar gastos, aprofundar os debates de interesse público em cada cidade do Estado”, afirmou o presidente estadual do PSDB-SP, deputado Pedro Tobias.

Itanhaém


HÁ 13 ANOS
• Circulava o Fatos n. 76, em 14 de março de 1998, trazendo notícias, informações e prestação de serviços. Algumas das principais manchetes daquela edição:
- “Desapropriação atinge quatro imóveis” - No Fazendinha, os imóveis cederão lugar à nova avenida de entrada da cidade enquanto no Centro, servirão como Museu e Gabinete de Leitura; um dos imóveis do Centro fica na Rua Cunha Moreira, 45, e será transformado no Museu Emídio de Souza.
- “Prazo final para regularizar título de eleitor é 6 de maio”
- “Registros de nascimentos e óbitos tornam-se gratuitos”
- “CPI cancela concurso da Câmara”. Os 157 inscritos vão receber o dinheiro de volta.
- “Prefeitura promete inaugurar novo Paço Municipal no dia 22 de abril; a antiga colônia do BCN foi adquirida em 97.
- “José Ernesto Bechelli dá nome à antiga rua 8, no Sabaúna”. O imigrante italiano morou por mais de 40 anos em Itanhaém
- “Editorial: A merenda escolar, sobre a importância da Administração ampliar o investimento na alimentação escolar.
- “Na página 2, artigo do prefeito João Carrasco discorre sobre as obras de urbanização da orla do Cibratel e da revitalização do Centro Histórico; também em artigo, o vice-prefeito João Molina fala sobre a devida atenção que a Prefeitura está dando à limpeza de rios e córregos, em virtude das fortes chuvas de março.
- Em sua coluna semanal, o jornalista Almir Garcia condena os ativistas que entraram com ação contra o empreendimento Costão do Paranambuco: “Os naturebas mal resolvidos melaram o Costão e agora tentam atacar o Parque da Xuxa”.
- Seção Frases: “É importante valorizar a nossa cultura”, Ernesto Bechelli, diretor municipal de Cultura, sobre a desapropriação de imóveis no Centro Histórico para a implantação do Museu Emídio de Sousa, Casa da Memória e do Gabinete de Leitura, que será instalado no imóvel ao lado do Mini Shopping, na subida do Convento.
- “Deputado Oswaldo Justo pede melhorias para Itanhaém” - no requerimento apresentado na Assembleia, Justo pede recursos para a ampliação da pista do aeroporto em mais 200 metros.
- “Prefeitura vai retirar 100 lombadas até setembro de 98” - segundo o diretor de Trânsito, Hélio Cursino, a medida atende ao Novo Código de Trânsito Brasileiro.
- “Relatório da Cetesb aponta a necessidade de Itanhaém construir um aterro sanitário”.
- “ACAI cria rodízio para discutir problemas do comércio varejista”. - a 1a reunião presidida pela lojista Alice da Cunha Salgado ocorreu no Belas Artes. A próxima será na Praia do Sonho
- “Sispumi quer aumento de 61% para o funcionalismo”. - “Parece que eles estão empurrando com a barriga”, protestou o presidente Artur de Sousa Reis
- “Tudo pronto na avenida Beira Mar para o II Biathlon Itanhaém Melhor”. - a prova terá a participação do nadador suspenso por doping, Hugo Dupret.
- “Nenê vai jogar na Inter de Limeira”. - Aloisio Marques Júnior, o atacante Nenê assinou com o clube do interior para disputar o Paulista de Juniores.
- “HD dobra patrocínio e consegue fechar contrato com Akio Saito para a temporada de 98”.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

500 vagas em Santos

Centro de Solidariedade ao Trabalhador seleciona profissionais em Santos
São 500 oportunidades para atendente de call center, seleção acontece no Sindicato dos Químicos de Santos, entre os dias 29.08 e 02.09
O Centro de Solidariedade ao Trabalhador de São Paulo, em parceria com uma empresa de Contact Center, seleciona entre os dias 29.08 e 02.09 (segunda e sexta-feira) 500 novos profissionais na cidade de Santos – SP.
A seleção acontece nas dependências do Sindicato dos Químicos de Santos – na Avenida Senador Pinheiro Machado, 77 – Santos – Próximo a Santa Casa.
A empresa não exige experiência, para se candidatar basta ter concluído o ensino médio, ter boa comunicação, noções de informática e residir em Santos - SP.
Os contratados irão trabalhar com atendimento de call center. O salário é de R$ 550, mais vale-transporte, assistência médica e odontológica e seguro de vida.
A seleção acontece entre os dias 29.08 e 02.09, segunda e sexta-feira, de acordo com as informações acima. O atendimento será dividido em dois horários às 9h e às 13h, mediante a entrega de senhas.
Endereço - Sindicato dos Químicos de Santos (Avenida Senador Pinheiro Machado, 77 – Canal 1 - Próximo a Santa Casa)
Os interessados devem comparecer ao endereço acima com carteira profissional, RG, certificado de escolaridade e currículo.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011


Itanhaém - imprensa


ENTREVISTA
José Cláudio de Mori
Corretor de imóveis há mais de 40 anos, Zé Cláudio, ex-vice-prefeito e presidente do Clube Náutico por 6 anos, comenta que Itanhaém está ainda mais atrativa do que há quatro décadas. “Estamos hoje a uma hora de São Paulo”

O empresário do setor imobiliário, José Cláudio de Mori, comenta que o segmento de compra, venda e locação de imóveis sempre foi um dos pontos fortes da economia local, gerando empregos, divisas e tributos para a Municipalidade.
Ele tem experiência e fala do alto de seus 42 anos ininterruptos vendendo lotes, casas e apartamentos em Itanhaém. Sua ligação com a cidade começou em 1969, quando abriu no bairro do Suarão a Imobiliária Leme. “Foi a primeira imobiliária genuinamente itanhaense”, explica. “Todas as que já estavam aqui eram filiais de empresas sediadas em São Paulo”.
Na época, Itanhaém recebia milhares de pessoas todos os finais de semana, a maioria já chegava procurando um terreno para comprar e erguer a casa de praia. A facilidade para adquirir um lote (10% de entrada e o saldo parcelado em 100 meses) motivou essa grande procura não só para os veranistas. “Todos os moradores locais também puderam comprar lotes, por causa da facilidade. Mas depois, o parcelamento foi diminuindo”. Zé Cláudio explica que foi assim que os bairros foram surgindo.

Qual a diferença do mercado imobiliário atual para aquele que conheceu há 42 anos?
“Olha, Itanhaém sempre foi atrativa. No passado, havia a facilidade de compra de um lote, com prestações que cabiam no bolso. Atualmente, o atrativo fica por conta da facilidade com que se chega à cidade. Estamos a uma hora da capital. Antigamente, o turista demorava mais de quatro horas para fazer o trajeto. Teve uma época, quando cheguei, que a rodovia era de um calçamento precário, todo esburacado, que prejudicava a viagem. Depois veio o asfaltamento da rodovia. Nos anos 90 aconteceu a duplicação. Em seguida, o Governo fez a segunda Imigrantes. Então tudo isso favoreceu a região, porque ficamos mais perto do grande centro econômico que é a capital”.

Com toda a sua experiência, como vê a chegada de grandes condomínios ao Município?
“É uma tendência do litoral e acredito que vem fortalecer o mercado. É um grande investimento que traz renda para a cidade, formado por um público de perfil mais exigente. E nisso vejo várias razões, como as nossas belezas naturais, as praias, os mananciais. O comprador gosta de aliar descanso à qualidade de vida, ao verde, ar puro e isso Itanhaém oferece há muito tempo”.

Quais os demais atrativos da cidade?
“O que Itanhaém tem hoje, como já mencionei, é proximidade com São Paulo. Tem também as obras de saneamento que o Governo está fazendo. Isso é fundamental para ajudar na melhoria da imagem da cidade. Mas acho que a segurança merece ser priorizada, com instalação de câmeras de vigilância em pontos de grande fluxo, pontos históricos e zonas comerciais, porque isso traz mais segurança ao morador local e ao visitante. Acho que é um investimento necessário para aumentar o leque de motivos que o visitante encontra para comprar aqui um terreno, um apartamento ou uma casa.”

Além da segurança, o que mais, em sua opinião, pode receber mais atenção?
“Com estes atrativos, o que resta é divulgar a cidade e suas belezas. Quando fui presidente da Comissão Municipal de Turismo, em 69, tivemos a ideia de fazer um folder turístico, acho que foi o primeiro panfleto de propaganda de Itanhaém. Conseguimos um helicóptero e fizemos muitas fotos das praias, do rio e dos loteamentos. É um caminho para se vender a imagem da cidade. A propaganda ajuda a trazer visitantes.”

O sr. falou desse cargo no Contur e nos fez lembrar que já teve várias atividades na vida social e pública, não é mesmo?
“Certamente, afinal quem mora aqui, cedo ou tarde é convidado para integrar alguma entidade ou trabalho social. Entrei no Lions em 1970. Antes, já tinha sido do conselho de Turismo, onde tive ao meu lado pessoas como o Manoel Rangel, José Bobrowski, Jaime Carrasco, o Benigno Salceda, entre outros. Entre 1977 e 1983 presidi o Náutico, que foi a fase de maior quantidade de obras do clube: os campos, a piscina, a sauna e o aterro com areia do próprio rio. A frente do clube tinha somente 38 metros de extensão. Adquirimos os lotes ao lado e aumentamos para 140 metros. A gestão deixou recursos aplicados e um elevado numeros de sócios.”

Pelo visto, foi uma ótima experiência?
“Com certeza. Porque administramos como se fosse uma empresa: tinha que dar resultados. A diretoria era muito boa, formada por pessoas dedicadas, como o Lauro Ruivo, Dárcio Araújo, Moacir de Souza, Wilson Morais, Roberto Duarte, Carlos Miranda, Misael Condotta, Clóvis Teracini, José Nogy, Pedro Fornaciari, Carlito Simões e Manoel Rocha, entre tantos que não consigo me lembrar, mas a quem sempre fui grato pelo apoio e pelo trabalho pelo clube. Também gostaria de acrescentar que integro a Academia Itanhaense de Letras”.

Fale sobre a sua experiência política.
“Em 1988, na época das filiações, o então prefeito Dr. Edson me procurou e me convidou para entrar na política, sendo vice-prefeito na chapa do Jaime Carrasco. Aceitei e vencemos a eleição.“

Suas considerações finais.
“Gostaria de lembrar que a imagem da cidade é boa mas que pode melhorar se tivermos atenção à questão da segurança. Uma das formas de venda é a segurança e é isso que a municipalidade deve priorizar.”

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Itanhaém - notícias


Associação dos Corretores pede o fim da Lei das Placas

A Associação dos Corretores de Imóveis de Itanhaém informou que está solicitando ao Executivo a revogação da legislação municipal que disciplina a colocação de placas e cavaletes de “vende-se” nos imóveis.
Na avaliação do presidente da entidade, Jorge Penha da Silva, a falta de fiscalização impede o cumprimento fiel e correto da lei. “É uma lei que perdeu o seu propósito inicial, que era disciplinar e tirar aquela imagem de uma cidade à venda. Realmente, toda aquela poluição visual não era agradável, mas temos acompanhado o desenrolar da história e até agora não vimos nada de produtivo na lei”. No entendimento do líder da associação, “a lei não pegou por falta de fiscalização e sabemos que o Executivo tem essa carência de fiscais, e os que estão em atividade têm outras prioridades”.
Através de ofício encaminhado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, o presidente da Associação dos Corretores lembra que a medida foi uma tentativa de corrigir um problema “mas que se não foi possível, pelo menos a cidade tentou fazer alguma coisa. Foi uma tentativa. O erro ou o acerto, nesse caso, caminharam juntos. O importante é que, de forma democrática e justa, vamos agora corrigir essa questão”.

McDia Feliz


Santa Casa realiza caminhada no McDia Feliz

Ônibus odontológicos e tendas de orientação médico-hospitalar estarão à disposição da população durante todo o dia

Neste sábado, 27 de agosto, será realizado em todos os restaurantes McDonalds, o McDia Feliz, maior campanha em beneficio de crianças e adolescentes com câncer no Brasil, coordenada nacionalmente pelo Instituto Ronald McDonald. Na data, os recursos arrecadados com a venda de sanduíches Big Mac, isoladamente ou na McOferta (exceto impostos), serão revertidos para 73 projetos de 59 instituições que atuam para elevar os índices de cura da doença.

Na Baixada Santista, a campanha beneficia a Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Santos. A instituição preparou uma ampla programação que acontecerá em diversos restaurantes McDonald´s de Santos. Às 9h acontece a 1ª Caminhada Contra o Câncer Infantil na Baixada Santista, com saída do restaurante da Aparecida. A caminhada percorrerá um trajeto até o restaurante localizado na Av. Ana Costa, onde acontecerá a abertura Oficial com a Banda do Exército. Durante todo o dia, ônibus odontológicos e tendas de orientação médico-hospitalar estarão à disposição da população. Todo atendimento será gratuito, assim como as demais atividades.

A Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Santos ampara mais de dois milhões de habitantes da baixada santista em termos de assistência médica e hospitalar e recebe mensalmente, 51 crianças e adolescentes com câncer, enviadas por 17 municípios da região. Nos anos de parceria com o Instituto Ronald McDonald, o McDia Feliz já proporcionou a reforma na ala de atendimento ambulatorial e a internação da Pediatria Oncológica. Com a arrecadação na campanha deste ano, a instituição irá comprar equipamentos para a UTI Pediátrica.

O McDia Feliz é o dia de maior movimento no ano nos restaurantes McDonald´s. Em 2010, em apenas um dia, foram vendidos 1,4 milhão sanduíches Big Mac em todo o Brasil, o que contribuiu para a arrecadação recorde de R$ 13 milhões. Ao longo dos últimos 22 anos, os recursos obtidos com o McDia Feliz têm viabilizado a implantação de unidades de internação, ambulatórios, salas de quimioterapia, casas de apoio e unidades de transplante de medula óssea, entre outros projetos em benefício de crianças e adolescentes com câncer. A campanha é um sucesso graças à participação fundamental de funcionários, franqueados e fornecedores do sistema McDonald´s, além da mobilização de cerca de 30 mil voluntários que incentivam a sociedade a abraçar a causa da luta contra o câncer.

jornal em Itanhaém


VIAGEM & TURISMO

Não fique em casa no feriado de 7 de setembro

- Veja seleção de pacotes nacionais e internacionais para viajar no feriado que, em 2011, cai numa quarta-feira
- Opções com preços variáveis vão do Nordeste até o Sul do Brasil, além de diversos roteiros internacionais


O feriado de Sete de Setembro cai em uma quarta-feira em 2011. Quem pode terá como opção emendar tanto o começo quanto o final da semana -ou, quem sabe, tirar ela toda para fazer uma viagem grande. Veja, abaixo, uma seleção de pacotes abrangendo destinos nacionais e internacionais para curtir a data.

NO BRASIL; PREÇO POR PESSOA EM QUARTO DUPLO

R$ 744
Três noites em Porto de Galinhas (PE), com café e jantar. Não inclui aéreo. No hotel Beach Class: 0800-603-5323; nobilehoteis.com.br.
R$ 798
Quatro noites no Gramado Portal Hotel, com café e aéreo. Na CVC: 0/xx/11/2191-8410; www.cvc.com.br.
R$ 1.224
Quatro noites em João Pessoa, no hotel Hardman. Com café e aéreo. Na TAM Viagens: 0/xx/11/3274-1313; www.tamviagens.com.br.
R$ 1.300
Cinco noites com pensão completa em Vassouras (RJ). Criança até cinco anos no mesmo quarto dos pais não paga. No Vassouras Eco Resort: 0/xx/21/21/3497-9277; www.vassourasecoresort.com.br.
R$ 2.253
Sete noites no Grand Palladium Resort, em Imbassaí (BA), com pensão completa e aéreo. Na Visual Turismo: 0/xx/11/3235-2000; visualturismo.com.br.
R$ 2.253
Quatro noites por pessoa no Pantanal (MS), no hotel Refúgio da Ilha. Com aéreo e alimentação completa. Na Ambiental: 0/xx/11/3818-4600; www.ambiental.tur.br.
R$ 3.115
Cinco noites em spa na cidade de Sorocaba, com refeições orientadas por nutricionista. Valor do pacote não inclui taxas. No Spa Sorocaba: 0800-701-8878; spasorocaba.com.br.
NO EXTERIOR; PREÇO POR PESSOA EM QUARTO DUPLO
US$ 690
Quatro noites de hospedagem em Buenos Aires, no hotel De La Paix. Com café da manhã e aéreo. Na Agaxtur: 0/xx/11/3067-0900; agaxtur.com.br.
US$ 840
Cinco noites de hospedagem em Nova York, no The Hotel ou similar, com café. Preço não inclui aéreo. Na rede Apple Core: 00/1/212/790-2710; applecorehotels.com.
US$ 1.594
Sete noites de hospedagem em Cuba, sendo duas em Havana (Occidental Miramar), com café da manhã, e cinco em Varadero (Iberostar Tainos), com pensão completa. O pacote inclui passagens aéreas. Na New Age: 0/xx/11/3138-4888; www.newage.tur.br.
US$ 1.688
Sete noites de hospedagem em Punta Cana, no hotel Tropical Princess Beach. O pacote inclui pensão completa, traslados e passagens aéreas. Na CVC: 0/xx/11/2191-8911; www.cvc.com.br.

sábado, 20 de agosto de 2011

Ponto de Vista



Aquecimento Global: Fato ou Mito?

Para abastecer nossos veículos nos detemos à retirada do sangue do planeta: petróleo. Tiramos diariamente milhões de litros de petróleo das entranhas da terra...

Mais uma vez os Estados Unidos da América tentam afirmar que as mudanças climáticas no planeta e os desastres naturais nada têm a ver com o aquecimento global causado pela poluição e outros fatores. A verdade é que ainda a comunidade científica ainda está dividida sobre esta questão, mas se esses fatores não são os únicos responsáveis pelo aquecimento global, certamente são os principais a influenciarem na aceleração deste aquecimento que causa o "efeito estufa".
Aprendemos na escola, em aulas de Física, algo que pode ser aplicado em qualquer situação e, ao meu ver, uma das mais importantes máximas a reger a vida do ser humano. Trata-se da 3ª Lei de Newton ou, como também é conhecida, a "Lei da Ação-Reação", onde cada ação cometidaq tem como retorno uma reação da mesma magnitude. Podemos, nesta mesma linha, usar o conhecido dito popular "aqui se faz, aqui se paga". E assim por diante.
O planeta sofre pelas atitudes e ações causadas pelo homem. E, em certos momentos, o planeta reage fazendo com que o homem sofra pelas ações que tomara anteriormente. Desmatamos e não replantamos. Deixamos o solo fraco pois não há raízes para sustentarem ligamento e com isso aumenta-se as possibilidades e os casos de deslizamentos de terra; alteramos o balamço entre oxigênio e gás carbônico etc.
Para abastecer nossos veículos nos detemos à retirada do sangue do planeta: petróleo. Tiramos diariamente milhões de litros de petróleo das entranhas da terra... assim como uma pessoa enfraquece ao perder sangue, o planeta enfraquece ao perder o seu fluído.
Tiramos tudo da terra: diamangtes, ouro, prata, ferro e outros minerais. Poluimos os nossos rios, matamos a vida aquática de nossos oceanos, envenenamos o ar... quanto mais tenho a dizer? E tudo isso em nome de que? Do progresso? Da modernidade? Do futuro? Que futuro é esse? Estamos acabando com o balanço natural dos elementos. Estamos destruindo os elementos terra, ar e água... e fazendo com que reine soberano o elemento fogo. E já estamos sentindo as consequências.
Nas últimas décadas acompanhamos um crescimento quantitativo e em termos de força das reações do planeta. Tsunames, vulcões, terremotos, furacões, chuvas torrenciais, geleiras árticas em processo de descongelamento, aumento significante da temperatura ao redor do mundo... E alguns ainda insistem em afirmar que tudo isso é natural... que nada tem a ver com o efeito estufa, com a poluição, com a destruição que estamos fazendo no planeta .
O problema do aquecimento global é atual e influencia na vida e no destino de cada um de nós, rico ou pobre, novo ou velho, branco ou preto. peço a meus leitores que parem e pensem sobre o assunto, discutam com seus amigos e aumentem a rede de conscientização sobre o tema. O momento é agora e não podemos deixar essa discussão para o futuro, pois se assim o fizermos, não teremos um futuro.


* MARC FORTUNA, poeta, escritor e membro da British Astronomical Association

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Capacitação do trabalhador

 
 

“Itanhaém está mais atenta quanto à necessidade da qualificação profissional”

Num cenário repleto de notícias diárias sobre os impactos do pré-sal, ampliação do aeroporto, chegada da Petrobras e abertura de filiais dos fast-food mais famosos do país, a vida do trabalhador itanhaense se tornou um misto de expectativa e entusiasmo mas também de preocupação. Afinal, o perfil do empregador está mudando e a exigência curricular mostra que ter apenas o ensino básico já não basta para preencher as vagas mais comuns abertas no varejo da cidade.
“Se não souber ligar e mexer num computador, por exemplo, volta para o fim da fila”, enfatiza o diretor do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Itanhaém, Marcos Tadeu Ferreira. “Quando uma economia cresce, a exigência por mão de obra qualificada passa a ser maior. É isso que estamos vivenciando no município”.
Na condição de presidente da Comissão Municipal de Emprego desde o início do ano e, portanto, responsável por levar ao Governo Municipal e Estadual as necessidades do setor, Marcos Tadeu fala nesta entrevista sobre as mais recentes ações voltadas à qualificação profissional.

A Comissão Municipal de Emprego já conseguiu entender este tsunami que se tornou a questão da empregabilidade em Itanhaém?
“Com certeza. Realmente é uma avalanche de boas notícias. O Posto de Atendimento ao Trabalhador vive os melhores momentos de sua história, porque a cidade cresceu muito rapidamente e o volume de vagas abertas pelo varejo agora exige uma resposta rápida de nossa parte. Por isso é que batemos sempre na tecla da qualificação, ou seja, a vaga existe. Mas, para ocupá-la, o trabalhador precisa ter um currículo satisfatório. Quando o Governo reativou a Comissão Municipal de Emprego foi justamente para fortalecer as ações voltadas à qualificação. Não queremos que Itanhaém perca empresas e investimentos privados por não oferecer a mão de obra que estes empregadores estão exigindo”.

Mas Itanhaém ainda não tem essa mão de obra, por exemplo, para as empresas que vão chegar a reboque da Petrobras.
“Esta é uma questão que também vem absorvendo parte do nosso expediente diário. Veja que não é somente se preocupar com o varejo e as redes de fast food. Tem a Petrobras e as empresas de aviação que já colocaram Itanhaém na sua agenda de investimentos. Por isso, temos como prioridade abrir diálogo com instituições, órgãos e empresas que têm interesse em explorar este novo nicho de mercado e que são qualificadas para formar a mão de obra que a cadeia do petróleo e gás exige. Quando a comitiva municipal esteve em Macaé, as autoridades visitaram a maior escola de treinamento em salvatagem do mundo e também o Senai de lá, que é a maior unidade que o Senai tem no Brasil. Os alunos já saem empregados, porque a cadeia produtiva do petróleo é de uma dinâmica incrível. Recentemente, o secretário Francisco Garzon e o presidente da ACAI, Eliseu, estiveram em São José dos Campos, que é um pólo nacional de aviação civil e militar. Foram conhecer uma escola profissionalizante, cujo foco está na formação de mecânicos de manutenção de aeronaves. Depois disso, membros da Comissão de Emprego estiveram no Guarujá, também buscando informações sobre cursos de manutenção de aviões. Neste contexto, uma notícia importante é a parceria que estamos definindo com a empresa Líder Táxi Aéreo, através da Escola Técnica Estadual. Se tudo correr bem, Itanhaém terá estes cursos em breve”.

Em sua avaliação, a qualificação está ficando mais acessível?
“Com certeza. Estudar hoje em dia está muito mais fácil do que há uma década. Em Itanhaém tem uma Escola Técnica Estadual (ETEC) e o Governo Municipal já está pedindo uma Faculdade Tecnológica (FATEC). Temos o Centro de Treinamento Profissionalizante, no Belas Artes, que oferece cursos nas áreas de humanas, artesanato, gastronomia, informática, elétrica e telefonia. Hoje temos na cidade várias faculdades, muitas com cursos à distância, cujo conhecimento e diploma têm a mesma importância que uma faculdade presencial. E no caso das famílias de baixa renda, o Governo Federal paga a faculdade, através do Prouni. Já o Governo Estadual dá bolsas para universitários que se disponham a trabalhar nas escolas nos fins de semana. Ou seja, hoje em dia, na minha opinião, só não estuda quem não quer.”

Quais são as ações mais recentes da Comissão de Emprego?
“Agora estamos trabalhando na formulação de uma lista de dez cursos que são prioridades no momento em Itanhaém, voltados para a área de hotelaria, turismo e comércio em geral. A construção civil também receberá atenção, por conta da necessidade de profissionais nesta área. A lista já foi encaminhada ao Governo Estadual. Outra meta é o fortalecimento do segmento têxtil em Itanhaém, uma cidade balneária, portanto, ideal para o setor de moda praia. Para isso, estamos buscando parcerias com os empresários desta área, a fim de abrir cursos profissionalizantes de desenho, corte e costura”.

Quantas pessoas se inscreveram para as vagas do Mc Donald´s?
“Tivemos 1.200 inscrições. O PAT ficou pequeno. Mas conseguimos cadastrar e entrevistar todo mundo. E vem sendo assim há algum tempo. Quando o supermercado Extra abriu inscrições, o PAT também foi importante, da mesma forma que recentemente no processo do Habib´s. O grupo que vai abrir o Giraffas já nos procurou. A gente sempre lembra ao candidato que essas grandes redes facilitam o crescimento profissional. Hoje em dia, um gerente com um tempo de casa no Mc Donald´s pode ganhar até R$ 8 mil por mês”.

Qual a importância do PAT neste processo?
“O PAT tem se revelado um parceiro importante dos empregadores. Temos um cadastro de 23 mil trabalhadores, nas mais diversas funções. Oferecemos palestras que vão desde a orientação na elaboração do currículo até como se portar numa entrevista. Outra importante palestra é voltada a quem é contratado, que recebem orientações sobre administração da vida financeira. Estamos agora para implantar o Time do Emprego, que é uma ação do Governo Estadual para inserir no mercado os trabalhadores de baixa renda. Não podemos deixar de citar o Via Rápida Emprego, também uma parceria com o Estado, e que abriu 30 vagas para capacitação em informática.”

Em números, como está o PAT?
“São números extremamente favoráveis. Crescemos 14% em relação ao primeiro semestre do ano passado. De janeiro a julho, foram contratadas 999 pessoas. Ou seja, quase 1.000 pessoas trabalhando, produzindo, ajudando no sustento do lar. Isso deixa a gente bastante satisfeito. É um sinal claro de que o PAT se tornou referência para o empregador e para o trabalhador”.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Vida Saudável



Entendendo a depressão

A depressão não é apenas um distúrbio de humor. É uma doença complexa que afeta corpo e mente e manifesta-se por sintomas emocionais e físicos. Conhecida também como Transtorno Depressivo Maior (TDM), é caracterizada pela combinação de sintomas que interferem na habilidade para trabalhar, estudar, comer, dormir e apreciar atividades antes agradáveis. Como existe bastante preconceito sobre a doença, a informação é imprescindível para que a população possa entender a importância deste assunto.
A depressão afeta mente e corpo e, apesar de caracterizar-se por sintomas emocionais, como perda de interesse e prazer, os pacientes também apresentam sintomas físicos. Os sintomas da depressão podem variar de pessoa para pessoa, e podem incluir:
• Sintomas emocionais: tristeza, perda de interesse, ansiedade, angústia, desesperança, estresse, culpa, ideação suicida.
• Sintomas físicos: baixa energia, alterações no sono, dores inexplicáveis pelo corpo (sem causa clínica definida), dor de cabeça, alterações no apetite, alterações gastrintestinais, alterações psicomotoras, entre outras.
Causas
Apesar da causa da depressão ser desconhecida, a teoria neuroquímica é a mais amplamente aceita segundo a qual uma disfunção no sistema nervoso central é a responsável pela doença. A diminuição de dois neurotransmissores – a serotonina e a noradrenalina – no sistema nervoso central é responsável tanto pelo aparecimento dos sintomas emocionais quanto físicos da depressão.

Tratamento
No tratamento da depressão é fundamental que a resolução sintomática seja total, ou seja, que o paciente alcance a remissão dos sintomas, quer físicos e psíquicos. A remissão diminui o risco de recaídas do paciente. Sabe-se que há sintomas mais relacionados ao desequilíbrio da serotonina e outros ao da noradrenalina. Antidepressivos com ação dupla cumprem esse papel e dentre eles, um dos mais recentes é a duloxetina cujo mecanismo de ação caracteriza-se pela atuação sobre esses dois neuro-transmissores de forma balanceada e potente. Estudada em mais de 6.000 adultos com depressão, a duloxetina age sobre os sintomas emocionais e físicos relacionados à depressão. Atualmente, a duloxetina é comercializada em mais de 40 países, dentre os quais Estados Unidos,Brasil, México, Reino Unido, Alemanha e África do Sul. 
Estima-se que 121 milhões de pessoas no mundo inteiro sofrem com a depressão, embora dados da Organização Mundial de Saúde mostrem que 75% dessas pessoas nunca recebem tratamento adequado. Hoje, a depressão é a quarta causa global de incapacidade e deve ser a segunda até o ano de 2020.
Sobre a duloxetina - É um moderno antidepressivo da classe dos inibidores duplos de recaptação de serotonina e noradrenalina com mecanismo de ação balanceado e potente. A serotonina e a noradrenalina são neurotransmissores também responsáveis pelo equilíbrio das emoções.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Entrevista


DJALMA DA SILVA BARROS, diretor da Associação Comercial de Itanhaém


“É uma satisfação pessoal ver como a ACAI está crescendo junto com o comércio de Itanhaém. Mais gratificante ainda é saber que em tudo isso tem um pouco do nosso esforço por uma Cidade melhor para todos”


A expressiva atuação da Associação Comercial de Itanhaém no dia a dia do Município atualmente é resultado da filosofia de trabalho aplicada pelas recentes gestões, que foi a busca por uma maior representatividade. Como resultado, hoje a ACAI atua praticamente como mediadora em todos os debates voltados ao desenvolvimento da Cidade. “A ACAI vive um de seus melhores dias. Está participativa, dinâmica e disposta a contribuir nesta nova fase de desenvolvimento de Itanhaém”, afirma o diretor-tesoureiro Djalma da Silva Barros, um dos diretores mais antigos da Associação Comercial.


Em sua avaliação, qual será o papel da ACAI na próxima década?
“Vamos trabalhar para que a entidade mantenha o foco no desenvolvimento da Cidade, porque crescendo o comércio, cresce também a Associação Comercial. Não me admira a ACAI estar hoje no centro das atenções, participando ativamente de todo e qualquer debate. Isso é fruto do que foi dito lá atrás, em relação à representatividade. Quando este processo começou, era apenas uma ideia. E se tornou o ponto central da nossa atuação atualmente. A transformação econômica que a gente observa na Cidade precisa ser acompanhada de perto. E é isso o que estamos fazendo. Temos muito chão pela frente. Mas coragem não nos falta”.

Tem algum tema específico no qual a ACAI deve se aplicar?
“Vejo o problema da falta de qualificação como uma missão que a ACAI precisa abraçar. É uma causa justa, aliás, é uma tarefa em causa própria. Somos comeciantes, precisamos de mão de obra. Com uma maior quantidade de empregos surgindo, é natural que falte pessoal qualificado para atender a todas as empresas. É motivo de preocupação e uma pauta prioritária nos próximos anos. Não pensamos na ACAI como escola ou centro de treinamento, mas tendo o papel de cobrar providências do poder público e incentivar parcerias entre a administração municipal, os empresários e as instituições como as escolas técnicas e faculdades que existem na Cidade”.

Qual a sua avaliação do comércio local?
“Como já disse, a economia de Itanhaém passa por uma transformação positiva. Entendo que a chegada de novas empresas e o crescimento da construção civil são motivos de otimismo. Para quem já estava estabelecido, o crescimento deve ser encarado como saudável, porque temos também mais consumidores. Essas grandes redes não escolheriam Itanhaém se não tivessem estudos confirmando o potencial de consumo e o poder de compra da população local. Estou no comércio há mais de 10 anos. Tenho uma gráfica que presta serviços para todos os tipos de empresas, pequenas, médias e grandes. A preocupação está mais no lado social do que com a economia. Ou seja, o comerciante local vê esse crescimento como positivo, mas teme pelo aumento da violência, poluição das praias, essas coisas.”

Hoje você é comerciante, dirigente empresarial, militante esportivo e professor e dá expediente diário na ACAI. Como consegue conciliar tantas atividades?
“É porque gosto de tudo o que faço e faço com muito amor. De fato, passo na ACAI todos os dias, pois tenho uma função que é o coração da entidade, as finanças. Tem que ser tudo bem controlado e acompanhado de perto. Sou uma pessoa de confiança do presidente e da diretoria, então quero fazer o melhor e não decepcionar ninguém. Ao mesmo tempo, administro minha empresa, junto com meu sócio, Irênio Lopes da Costa. Um ajuda o outro no dia a dia da firma. No esporte, além de professor de Karatê, sou presidente da Federação Paulista Esportiva Educacional, que promoveu um grande evento em abril aqui em Itanhaém, trazendo competidores de todo o Estado.”

A tecnologia é um desafio para o setor gráfico atualmente?
“Depende de como ela é encarada. Tem empresário do meu setor que pode ter medo da internet e essas coisas. Mas acho que dá para conviver com harmonia. Se por um lado o faturamento do setor caiu 30% depois da internet, por outro, estamos entrando neste segmento, oferecendo também serviços de design, com desenvolvimento de layouts e logotipos. É difícil dizer como será o futuro, porque tudo é muito dinâmico. Mas não vejo como a internet pode extinguir com o setor gráfico. É só não se acomodar e procurar abrir novos campos de atuação. Essa é a vida do empreendedor, não é mesmo?”

Em sua opinião, qual é o segredo do empreendedor moderno?
“Tem que prestar atenção no atendimento. Se você quiser fidelizar o cliente, deve dar um bom atendimento. O comércio é uma atividade de oferta e procura. O cliente precisa do seus serviços ou dos seus produtos e você precisa dele. É assim que pensamos na gráfica. Atender bem para atender sempre. Do contrário, a empresa tem vida curta”.

Você recentemente foi homenageado na Câmara pela sua atuação no esporte. Como recebeu a moção?
“Foi uma iniciativa do vereador Zé Renato pelos 22 anos da Associação Kodokan. Fui pego de surpresa. Minha esposa sabia mas não me avisou. Disse que teria alguma coisa a ver com o esporte naquela sessão e me pediu para comparecer. Já estavam lá diversos alunos e o pessoal da academia. Foi uma emoção. A gente trabalha não para buscar reconhecimento, mas para fazer algo de bom para a sociedade. E o esporte, qualquer esporte, faz bem para o corpo e alma. No caso do karatê, procuramos formar não somente atletas, mas cidadãos conscientes de seu papel na sociedade, na família, no seu modo de viver. O karatê é uma arte milenar que valoriza o ser interior, ajuda o praticante a se descobrir como pessoa integrante da humanidade”.

Você conseguiria viver sem o karatê?
“De jeito nenhum. Já faz parte da minha vida, como a minha família e a minha empresa. Comecei como aluno em 1983 com o professor Wilson, que hoje é coordenador de segurança da TV Record. Em 30 de maio de 1989 dei minha primeira aula. Era na sede do Vila Nova, no Belas Artes. Tinha 15 alunos. Era junto com o judô, do meu amigo Bezerra. Aliás, o karatê e o judô sempre foram co-irmãos. Entrei no karatê por influência da minha mãe. Ela comprou pra mim o melhor kimono que tinha na época, de lona, que ficou comigo por mais de 12 anos. Hoje sou formado faixa preta 6º Dan. Já passaram por mim mais de 400 atletas no karatê. Hoje a Associação Kodokan tem 150 alunos e funciona no Ginásio Municipal de Artes Marciais. Tem bastante criança. É um esporte que a criançada adora. Até a minha netinha Catharina, de três anos, está praticando. Quero finalizar agradecendo primeiramente a Deus, a minha família, ao presidente e aos diretores da ACAI e aos meus atletas do karatê”.